segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Análise: teclado Genius Luxemate i200

Segue um breve relato das características do teclado compacto Genius Luxemate i200, recentemente adquirido por mim.

É um teclado compacto de custo relativamente baixo, com fio. As teclas são do tipo "chiclete" ou "ilha". A versão analisada tem o formato ABNT2.

A construção é satisfatória, mas a aparência do corpo do teclado, em black piano, deixa a desejar. Aliás, black piano, parece, virou sinônimo de produtos de qualidade média ou baixa. Também pudera: nenhum outro material é tão propenso a parecer sujo rapidamente. Já as teclas são feitas em plástico preto fosco.

Não é possível alterar a inclinação do teclado, pois não há aqueles suportes ou pés retráteis. Mas a inclinação dele não é execessiva e deve agradar à maioria das pessoas.

A disposição das teclas deixou a desejar, apesar de ser um teclado ABNT2. O grande problema é que, talvez para baixar os custos ou por causa do formato compacto, o fabricante resolveu deslocar algumas teclas para lugares bizarros. Por exemplo, para digitar o símbolo ?, é preciso apertar Fn+Shift+Espaço.

Estão disponíveis algumas teclas multímidia (volume, alguns aplicativos), que podem ser acionadas em conjunto com a tecla Fn.

Teste de som

Alguém postou um vídeo com os sons das teclas do i200. Verifiquem:

Conclusão

A vantagem do teclado Luxemate i200 é que sobra mais espaço em cima da mesa, por não ter o teclado numérico. Está longe de ser um teclado tão confortável quanto um teclado de notebook, embora as teclas, um pouco mais baixas, sejam mais agradáveis que um teclado tradicional de membrana.

Também não é um teclado realmente silencioso, por ser um teclado de membrana. No entanto, o que mais prejudica a satisfação é a disposição estranha das teclas. O que pode fazer valer a aquisição é o formato compacto e o baixo custo.

Nota final: 3 de 5.

Nenhum comentário:
Postar um comentário

Sua opinião é bem-vinda!